Slide # 1

VOLTANDO COM CARGA TOTAL!

O projeto de reativar o blog surgiu a partir da necessidade de noticiar os fatos sem cunho sensacionalista e sem a exposição de ofensas que desmerecem e desrespeitam as pessoas. Mais informações »

Slide # 2

INSTAGRAM E WHATSAPP GANHAM INTERAÇÃO PARA COMPARTILHAR FOTOS

Hoje (24), o Instagram ganhou uma integração com o WhatsApp. Os aplicativos, ambos comprados pelo Facebook, agora vão trabalhar juntos no compartilhamento de fotos... Mais informações »

Slide # 3

PRECISAMOS EVOLUIR, PRECISAMOS PENSAR

O brasileiro (em sua maioria) é um ser que precisa urgentemente de vergonha na cara e aprender a respeitar Leis, limites e ser gente de verdade. Precisa encontrar Deus... Mais informações »

Slide # 4

POR R$ 0,20 CENTAVOS

Dois anos atrás, fizeram dezenas de protestos por causa do aumento de R$ 0,20 centavos na passagem de ônibus (e não adianta dizer que não foi só por isso, pois se... Mais informações »

Slide # 5

SE O TROCO FALTAR, É SEU DIREITO TER ARREDONDAMENTO DO VALOR PARA BAIXO

Se você andar em qualquer tipo de comércio, vai perceber a enorme quantidade de produtos que possuem um “valor fantasioso”, como R$1,99... Mais informações »

quarta-feira, 12 de novembro de 2014


Texto, que vai à sanção da presidente Dilma, prevê corte de 12% para 6% em alíquota de empregador.

A Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira um projeto de lei para reduzir pela metade o INSS pago por empregados e empregadores domésticos. O texto prevê redução da alíquota recolhida pelo patrão, atualmente em 12%, para 6%. Para o empregado doméstico, que hoje recolhe de 8% a 11%, a alíquota seria fixada em 6%.

O projeto foi originalmente apresentado pela senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) em abril de 2009. Aprovado em 2010 no Senado, tramitava há quatro anos na Câmara dos Deputados. Após passar na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), segue para a presidente Dilma Rousseff, que pode sancionar ou vetar a lei.

A proposta é anterior à PEC das Domésticas, promulgada em abril de 2013 e apresentada em 2010.A justificativa para apresentação do texto é aumentar a formalização do emprego doméstico no país. O projeto foi apresentado após a coleta de 65 mil assinaturas da campanha “Legalize sua doméstica e pague menos INSS”, promovida por entidades como o Instituto Doméstica Legal.

A aprovação do projeto de lei ocorreu no mesmo dia em que a comissão mista do Congresso Nacional rejeitou todas as emendas apresentadas ao texto que regulamenta a emenda à Constituição que garante direitos iguais entre domésticos e demais trabalhadores. A regulamentação aprovada pelo Senado e em análise pela comissão mista também define regras para a contribuição para a Previdência, diferentes das previstas pelo projeto de lei de . Segundo o texto, a alíquota para empregadores seria reduzida de 12% para 8%. O projeto também fixa a contribuição de 11,2% para o FGTS, incluindo a multa nas demissões sem justa causa e de 0,8%, a alíquota referente acidente de trabalho.

Ainda não está claro se a presidente vai sancionar ou vetar a lei, já que o projeto de regulamentação da PEC — uma lei complementar — tem hierarquia superior ao aprovado nesta terça-feira.

OBJETIVO É INCENTIVAR FORMALIZAÇÃO

PUBLICIDADE

Hoje, a Lei 11.324, de 2006, prevê que o empregador possa deduzir, na declaração do Imposto de Renda, a contribuição paga ao empregado doméstico. O autor do projeto aprovado na terça-feira, no entanto, defende que o incentivo beneficia apenas os contribuintes que usam o modelo completo de declaração. O corte na alíquota seria, portanto, uma forma de dar incentivos fiscais também para os que declaram pelo modelo simplificado.

“O movimento patrocinado pelas entidades organizadas das empregadas domésticas pretende, com este ajuste na contribuição social de empregado e empregador doméstico, formalizar a relação de emprego de aproximadamente 4,9 milhões de empregados domésticos ainda sem carteira assinada e sem acesso a proteção social de natureza previdenciária”, explica o senador, na justificativa da lei.


Segundo os dados mais recentes do IBGE, apenas 31,7% dos trabalhadores domésticos em todo o país. No Nordeste, o percentual chega a ser ainda menor, de 18,1%. A expectativa é que o menor custo trabalhista seja um incentivo para aumentar a formalização do emprego doméstico.


Fonte: O Globo

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

O nosso Blog agradece a sua participação, mas não se responsabiliza por qualquer comentário dos participantes. Todos os comentários serão moderados antes de aparecerem nas postagens. Use o bom senso.

Comente a postagem acima.