Slide # 1

VOLTANDO COM CARGA TOTAL!

O projeto de reativar o blog surgiu a partir da necessidade de noticiar os fatos sem cunho sensacionalista e sem a exposição de ofensas que desmerecem e desrespeitam as pessoas. Mais informações »

Slide # 2

INSTAGRAM E WHATSAPP GANHAM INTERAÇÃO PARA COMPARTILHAR FOTOS

Hoje (24), o Instagram ganhou uma integração com o WhatsApp. Os aplicativos, ambos comprados pelo Facebook, agora vão trabalhar juntos no compartilhamento de fotos... Mais informações »

Slide # 3

PRECISAMOS EVOLUIR, PRECISAMOS PENSAR

O brasileiro (em sua maioria) é um ser que precisa urgentemente de vergonha na cara e aprender a respeitar Leis, limites e ser gente de verdade. Precisa encontrar Deus... Mais informações »

Slide # 4

POR R$ 0,20 CENTAVOS

Dois anos atrás, fizeram dezenas de protestos por causa do aumento de R$ 0,20 centavos na passagem de ônibus (e não adianta dizer que não foi só por isso, pois se... Mais informações »

Slide # 5

SE O TROCO FALTAR, É SEU DIREITO TER ARREDONDAMENTO DO VALOR PARA BAIXO

Se você andar em qualquer tipo de comércio, vai perceber a enorme quantidade de produtos que possuem um “valor fantasioso”, como R$1,99... Mais informações »

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Ricardo Rulière (Bermuda azul), Vitor Damasceno (Camisa vermelha),
Guilherme Anchieta (bermuda bege), do bermudasim

"É o assanhamento" deste verão, diz a autora e consultora de moda Gloria Kalil, sobre o uso das bermudas no trabalho. Um grupo de três amigos do Rio de Janeiro resolveu fazer um site para incentivá-las e, segundo eles, está fazendo sucesso.


O publicitário Ricardo Rulière, 26, um dos que estão à frente da página, conta que o bermudasim.com.br nasceu em torno de uma conversa informal. A primeira ideia era criar um disparador de e-mail anônimo para pedir a um chefe que libere a vestimenta.


Do dia 8 de janeiro, quando o site foi ao ar, até esta terça-feira, foram 1.700 mensagens anônimas enviadas a chefes.

Os amigos também fizeram "mandamentos" sobre como usar bermuda no trabalho (por exemplo, "uniforme de time não é bermuda", "não é porque está de bermuda que pode usar regata" e "bermuda só a partir dos 29,8ºC").

O que motivou a criação da página foi o calor dos primeiros dias do ano. "Sofrer e suar é pior para o rendimento profissional, fica-se estressado e não se trabalha direito", diz Rulière.

VISUAL TROPICAL

Kalil concorda: "Faz sentido reivindicar uma roupa mais tropical. Homens usam essas roupas [ternos] porque é uma convenção. Não é lei. Se, quiserem, que criem nova convenção".

Ela diz que, para que o padrão mude, "precisamos que o nosso Steve Jobs se apresente de bermuda". "Não será um estilista que irá mudar a cabeça convencional dos brasileiros. Homem só obedece ao poder, não obedece às ideias."

Ou seja, a bermuda precisa de um ícone. "O Jorge Paulo Lemman [o homem mais rico do país] inaugurou a roupa casual para o mercado financeiro no Rio de Janeiro. E, hoje, um amigo meu diz que só quem usa terno no Rio é quem tem menos de R$ 1 milhão", diz a consultora.

A ideia ganhou força neste verão, mas ela não é assim tão nova. Há quatro anos o empresário de Brasília Fabricio Buzeto, 29, redigiu um "manifesto bermudista". Ele é dono de uma empresa que desenvolve softwares, e diz que já deu muito emprego a profissionais que, por causa da aparência, não teriam chances no mercado.

"No trabalho, muitas vezes, os profissionais são julgado por outras coisas que não a eficiência."

No escritório do Peixe Urbano, no Rio, também é a regra. Vitor Vander Vellden, 30, gerente de produtos, conta que nos dias mais quentes, todos os homens vão de bermuda. Os clientes e parceiros já sabem o que esperar, diz.

"A gente já trabalhou em prédios comerciais. Dá um pouco de dó ver os vizinhos de prédio de terno e gravata nesse calor."

Para o caso de a empresa liberar as pernas de fora para os homens no escritório, a consultora de moda diz que é preciso ficar atento ao calçado. "Evidentemente que uma bermuda pede sapato sem meia ou tênis com meia sem aparecer."

Ela indica sapatos mocassim ou "dockside".

Fonte: Folha de São Paulo

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

O nosso Blog agradece a sua participação, mas não se responsabiliza por qualquer comentário dos participantes. Todos os comentários serão moderados antes de aparecerem nas postagens. Use o bom senso.

Comente a postagem acima.