Slide # 1

PRECISAMOS EVOLUIR, PRECISAMOS PENSAR

O brasileiro (em sua maioria) é um ser que precisa urgentemente de vergonha na cara e aprender a respeitar Leis, limites e ser gente de verdade. Precisa encontrar Deus... Mais informações »

Slide # 2

POR R$ 0,20 CENTAVOS

Dois anos atrás, fizeram dezenas de protestos por causa do aumento de R$ 0,20 centavos na passagem de ônibus (e não adianta dizer que não foi só por isso, pois se... Mais informações »

Slide # 3

SE O TROCO FALTAR, É SEU DIREITO TER ARREDONDAMENTO DO VALOR PARA BAIXO

Se você andar em qualquer tipo de comércio, vai perceber a enorme quantidade de produtos que possuem um “valor fantasioso”, como R$1,99... Mais informações »

Slide # 4

LEI QUE RESTRINGE APRENSENTAÇÕES NO ESPAÇO PÚBLICO É SANCIONADA

Os malabaristas e artistas circenses, muito vistos nos sinais do Recife, terão que obedecer a horários e outras determinações para fazer performances em... Mais informações »

Slide # 5

LEI OBRIGA CONCESSIONÁRIA A DAR "FICHA COMPLETA" DO VEÍCULO

Entrou em vigor, na última segunda feira, a Lei 13.111/2015 que dá mais transparência ao consumidor na hora da compra de veículos novos e usados. A nova... Mais informações »

segunda-feira, 28 de setembro de 2015


O brasileiro (em sua maioria) é um ser que precisa urgentemente de vergonha na cara e aprender a respeitar Leis, limites e ser gente de verdade. Precisa encontrar Deus. Precisa aprender a ser exemplo bom para outras pessoas e para futuras gerações.

Por causa de um ou outro que não respeita o direito do próximo e o seu próprio dever como cidadão (que pelo menos deveria ser um, mas não é), causam acidentes, praticam crimes, tiram vidas de pessoas inocentes, que as vezes, até mesmo estão buscando o sustento de sua família.

É vergonhoso para o mundo saber que no Brasil tem uma nação de irresponsáveis (nação, no modo de falar que é uma quantidade enorme), que não respeitam limite de velocidade, não respeitam uma Lei, não respeitam o direito do próximo ou que querem ter as coisas de formas fáceis, sem dar duro para conseguir e praticam crimes como assaltos, sequestros, latrocínios, entre outras formas de beneficiamento ilícito (a exemplos de estelionato, corrupção, beneficiamento por apadrinhamento político e etc.).

Será que um dia, seremos um país de gente boa de verdade? De gente honesta em sua totalidade? De pessoas que respeitem as Leis e o direito do próximo? De pessoas que façam cumprir as Leis da forma como elas são escritas? Indo ainda mais fundo, de pessoas (políticos) que criem as Leis que irão dar uma vida melhor para todos os habitantes, não só para benefício próprio ou para livrar a cara deles quando fizerem alguma besteira ou praticarem algum crime?

Quantas pessoas, em sua maioria inocentes, ainda irão ser mortos pela imprudência de alguns? E quantos outros serão mortos por bandidos?
Quantos policiais serão mortos e os crimes ficarão impunes? Quando nós brasileiros, teremos serviços públicos de qualidade em todo território nacional?
Quando deixaremos de ser lesados pelos altos impostos cobrados pelos governos corruptos que sugam o que suamos tanto para conseguir e depois nos deixam a ver navios, sem saúde, educação, habitação, infraestrutura, estradas e demais serviços essenciais para uma vida digna?

A esperança para esse país ser justo é minúscula e cada vez, diminui mais.

sábado, 12 de setembro de 2015

Foto: José Cruz/ABr - Agência Brasil


Dois anos atrás, fizeram dezenas de protestos por causa do aumento de R$ 0,20 centavos na passagem de ônibus (e não adianta dizer que não foi só por isso, pois se fosse por outras questões além dos Vinte Centavos, até hoje teriam protestos), mas hoje em dia, que tivemos mais de 06 aumentos de impostos, energia elétrica, combustíveis, juros, inflação e nas corrupções do governo, ninguém faz nada. Ninguém se importa.
Afinal, tantos aumentos de produtos, serviços, impostos e inflação valem menos que os R$ 0,20 Centavos da passagem?
Os cortes nas verbas das áreas mais importantes como saúde, educação, segurança e os repasses as prefeituras são menos importantes que o preço de uma passagem de ônibus?

Milhões de empregos sendo ceifados pela crise que o PT causou no país, não tem importância?

O governo querendo aumentar mais ainda os impostos e criar novas taxas a serem cobradas do brasileiro e das empresas e o povo nem ai?
Vivemos em um país que, dos 12 meses do ano, 05 são para custear tributos, impostos e taxas aos governos e não temos quase nada que funcione da forma adequada no país, mas o povo protesta por R$ 0,20 Centavos.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

O repórter Gealison Barbosa foi para o meio da galera no Pátio da Feira e Eventos Nivaldo Jatobá e veja o que ele aprontou...Confira a reportagem de Gealison Barbosa e Edson Silva.
Posted by TV Belo Jardim on Quarta, 5 de agosto de 2015

A TV Belo Jardim foi até o Camarote Point Da Pegação e conversou com os organizadores Betinho e Neto, além de empresá...
Posted by TV Belo Jardim on Quarta, 5 de agosto de 2015

A TV Belo Jardim esteve na abertura do Campeonato Belo-jardinense de Futsal, realizado pela LBF (Liga Belo-jardinense de...
Posted by TV Belo Jardim on Sábado, 1 de agosto de 2015

A Secretaria Municipal de Saúde em parceria com a Secretaria Estadual, trouxe a Unidade Móvel de Exames para a 46ª ediçã...
Posted by TV Belo Jardim on Segunda, 27 de julho de 2015


A TV Belo Jardim foi pela primeira vez, cobrir o café da manhã da Festa das Marocas e lá entrevistou o prefeito João Mendonça.Confira a reportagem de Gealison Barbosa e Manoel Ricardir.
Posted by TV Belo Jardim on Segunda, 27 de julho de 2015

quarta-feira, 10 de junho de 2015


Se você andar em qualquer tipo de comércio, vai perceber a enorme quantidade de produtos que possuem um “valor fantasioso”, como R$1,99, R$3,88, R$6,44, e assim por diante. Mas existe algum problema de usar essa tabela de valores? Nenhum, desde que o comércio tenha um planejamento da quantidade de troco que deve estar disponível no caixa, para que seja devolvido corretamente e não prejudique o bolso do consumidor.

Mesmo sabendo que o Banco Central parou de fabricar as moedas de um centavo em 2004, os comércios continuam agregando esses valores quebrados na mercadoria, geralmente como forma de estratégia. O resultado que vemos nos caixas, porém, não é nada agradável. Na hora do pagamento, o arredondamento do troco acaba sendo para cima, desrespeitando o dinheiro do cliente.

Para você não ser injustiçado, antes de sair às compras é bom saber que o Código de Defesa do Consumidor estabelece proteção à dignidade do consumidor e, em especial, à propaganda enganosa. Nesse caso, quando se anuncia um produto por um preço e na devolução do troco há diferença nos valores, é considerado propaganda enganosa. Todo consumidor deve exigir seu troco, já que é responsabilidade do comércio e não do cliente providenciar o valor exato ou arredondar a conta para menos.

Ninguém é obrigado a aceitar balas como troco

É proibida a substituição do troco por outros produtos, como doces e balas, sem o consentimento prévio do consumidor. Força-lo a aceitar as guloseimas abre brecha para qualificar o trâmite como venda casada, pratica que, para o Código de Defesa do Consumidor, é proibida.

Caso falte troco, o comerciante fica obrigado a baixar o preço do produto até que consiga devolver a quantia ao cliente. Por exemplo: se o produto custa R$ 9,99, a pessoa paga com R$ 10, e ele não tem um centavo, deve conferir se tem cinco centavos para devolver. Se não tiver cinco, tem que devolver dez. Se não tiver os dez, tem que devolver 25 centavos, e assim por diante.

Ninguém é obrigado a aceitar que o troco venha de outra forma. Insista na diminuição do preço até chegar a uma quantia disponível no estabelecimento, e caso se sinta obrigado a aceitar outros produtos no lugar do seu dinheiro, denuncie ao Procon.

sábado, 30 de maio de 2015


Os malabaristas e artistas circenses, muito vistos nos sinais do Recife, terão que obedecer a horários e outras determinações para fazer performances em vias públicas. Pelo menos é o que diz a Lei 15.516, de 27 de maio, publicada no Diário Oficial do Estado. De autoria do deputado estadual Ricardo Costa (PMDB), ela foi sancionada pelo governador Paulo Câmara, e regulamenta o uso dos espaços públicos, como ruas, avenidas, praças e parques. 

Pela nova lei de Pernambuco, qualquer tipo de manifestação artística pública tem que acontecer, obrigatoriamente, entre 10h e 22h. A exceção é para os espetáculos com financiamento oficiais de incentivo à cultura e aprovação prévia do poder público. A lei já provoca polêmica entre a população em geral, além dos artistas que normalmente se expressam para o público não pagante das ruas.

Parte da classe artística já se mobiliza com relação ao tema. Uma reunião, intitulada Grande Evento pela Regulamentação das Artes de Rua, está marcada para ocorrer no domingo (31/5), às 14h, no Parque 13 de Maio (Santo Amaro).

O alcance restritivo da lei é bastante amplo. O texto legal diz que são terminantemente proibidas, fora do horário estabelecido, manifestações de teatro, dança individual ou em grupo, capoeira, mímica, estátuas vivas, artes plásticas, malabarismo ou outra atividade circense e, também, manifestações folclóricas.

Filho do referencial Mestre Salustiano, nome obrigatório na história da cultura popular do Nordeste, Pedro Salustiano se diz preocupado as novidades. Como os maracatus, cavalos-marinhos, cirandas e outros brinquedos populares costumam acontecer à noite, ele teme que isso possa atrapalhá-los. Em geral, os grupos saem espontaneamente pelos terreiros e ruas do interior, notadamente na Zona da Mata, e do Recife e de Olinda.

"Essa lei pode prejudicar enormemente as sambadas de maracatu e as saídas de cavalo-marinho, que não são manifestações oficiais, mas manifestações organizadas espontaneamente pelo povo. As manifestações da cultura popular têm como tradição começar depois da noite e ir até o amanhecer", diz ele.

Outro ponto polêmico da lei é o que limita terminantemente a presença de menores de 14 anos nessas manifestações. "Acho que isso precisa realmente ser repensado, porque ataca fortemente a cultura popular, que não é aprendida na escola ou na faculdade, mas na rua, de geração para geração", diz ele. "Eu comecei a brincar no cavalo-marinho com três anos de idade. Meu filho, de três, já começou a brincar também".

A lei ainda proíbe que os artistas de rua comercializem discos, livros e artesanato que não sejam de autoria própria. Assim, grupos e artistas ficariam impedidos de gerar renda a partir da doação de obras de artistas amigos.

Da base governista, hoje no PMDB, o deputado Ricardo Costa é um conhecido empresário do ramo de propaganda em espaços públicos, já foi presidente da Federação Nacional das Empresas de Propaganda Exterior (Fenapex) e vice-presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe). Foi eleito pela primeira vez em 2010, como deputado estadual pelo Partido Trabalhista Cristão (PTC). Ontem, sua assessoria de comunicação informou que ele estava incomunicável no interior do Estado e impedido, assim, de justificar a lei em entrevista.

Confira a Lei na íntegra: Lei 15.516 de 27 de maio de 2015


Entrou em vigor, na última segunda feira, a Lei 13.111/2015 que dá mais transparência ao consumidor na hora da compra de veículos novos e usados. A nova determinação vale para todas as lojas que vendem veículos automotores (carros, motos, ônibus, caminhões). Agora, o vendedor é obrigado a apresentar o histórico do automóvel, incluindo ocorrências de furto, multas, taxas, dívidas, financiamento e qualquer outro tipo de registro que limite ou impeça a circulação do veículo ao comprador antes de fechar negócio.

O contrato de compra e venda também deverá informar o valor dos impostos incidentes, permitindo ao comprador verificar quanto pagaria sem tributos. O fornecedor que descumprir as novas regras arcará com o pagamento do valor correspondente aos débitos incidentes sobre o veículo e existentes até o momento de sua aquisição pelo comprador.

O Procon-SP lembra que, caso o negócio seja realizado entre pessoas físicas, o vendedor não estará obrigado a apresentar estas informações. A nova lei vale apenas para o comércio. O comprador que não receber a documentação prevista na lei poderá formalizar queixa no órgão de defesa do consumidor mais próximo.

Confira a Lei na íntegra: Lei 13.111/2015